sábado, 17 de abril de 2010

Austrália e Nova Zelândia

OS RICOS DO SUL

"A inveja não é um sentimento dos mais nobres e até faz parte da lista dos pecados capitais, mas que atire a primeira pedra o brasileiro que já conheceu a Austrália e não sentiu nem uma pontinha da maldita ao ver que eles, descobertos pêlos portugueses assim como nós, conseguiram, em apenas duzentos anos de colonização branca, um nível de desenvolvimento e de vida infinitamente superior ao do Brasil. [...] O fato é que esse lugar cercado de água por todos os lados, que de tão grande a geografia se recusa a chamar de ilha, atingiu um padrão de Primeiro Mundo e é bonito a ponto de dar inveja."
Austrália e Nova Zelândia são as únicas nações desenvolvidas localizadas no hemisfério sul. Os dados da tabela l mostram as excelentes condições de vida dessas duas ex-colônias britânicas; uma delas, um país-continente; a outra, formada por duas ilhas não tão extensas quanto o território australiano.

Austrália, país-continente

Sexto país em extensão territorial, com 7 682 300 km2, a Austrália tem o litoral mais extenso do planeta. Por isso muitos a consideram um continente, e não parte da Oceania.
Banhada pêlos oceanos Índico e Pacífico, situa-se na mesma latitude do Sul e do Sudeste brasileiro, pois é atravessada pelo trópico de Capricórnio, que também passa pela cidade de São Paulo. Porém, enquanto o Brasil está a oeste do meridiano de Greenwich (hemisfério ocidental), a Austrália está no hemisfério oriental. Por esse motivo, as viagens aéreas entre Brasil e Austrália são longas e cansativas.
A Austrália divide-se administrativamente em seis estados (Austrália Ocidental, Austrália Meridional, Nova Gales do Sul, Queensland, Tasmânia e Vitória) e dois territórios (Território da Capital Federal, onde se encontra Camberra, e Território do Norte).

Desenvolvida, mas não potência

A Austrália é considerada uma nação rica, moderna e desenvolvida, muito mais pêlos seus indicadores socioeconômicos, como alto IDH (o segundo maior do mundo), baixa natalidade, alta expectativa de vida e elevada renda per capita, do que pela sua indústria nacional, pouco diversificada se comparada à européia, à japonesa, à norte-americana ou mesmo à brasileira.
Durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), esse país teve acentuada expansão de setores industriais, como o siderúrgico. Porém sua industrialização consolidou-se após esse conflito, quando a Austrália se beneficiou da exportação e da utilização dos seus grandes e diversificados recursos minerais e energéticos, e de sua produção agropecuária. Minério de ferro (aço) e bauxita (alumínio), além de chumbo, manganês, prata, níquel, estanho, zinco, urânio, gás natural, ouro, cobre, carvão mineral, destacam-se entre os recursos minerais e energéticos australianos. Entre as matérias-primas agropecuárias, podemos citar a lã, a aveia, a cevada, o trigo, o algodão, a cana-de-açúcar e a uva.
O governo australiano foi o grande articulador da expansão industrial e facilitador da imigração que serviria de mão-de-obra para o país. Os principais setores industriais da Austrália, como o automobilístico, o metalúrgico, o siderúrgico, o petroquímico e o químico, são controlados por grupos estrangeiros, principalmente dos Estados Unidos.
A maior parte das exportações australianas é de origem primária (minérios e gêneros agrícolas), e o Japão é seu principal parceiro comercial, tanto nas exportações quanto nas importações, seguido dos Estados Unidos e da Coréia do Sul. A Austrália exportou aproximadamente 56 bilhões de dólares e importou 64 bilhões de dólares em 1998. A distribuição das indústrias acompanha a distribuição da população, estando, portanto, concentrada no Sudeste australiano, área com melhores condições climáticas, uma vez que grande parte do país apresenta clima desértico.
A Austrália está localizada em uma área estratégica do Pacífico, entre a América e a Ásia, que permite ao país não só exportar seus produtos primários para os países emergentes asiáticos, para o Japão, China e Estados Unidos, como também comprar manufaturados dessas nações. Fica, portanto, situada em uma estratégica área comercial, marítima e de importância geopolítica internacional. Em 1954, assinou o tratado militar de segurança, que ficou conhecido pela sigla Anzus {iniciais de Austrália, Nova Zelândia e Estados Unidos, em inglês), e desde 1993 faz parte do bloco econômico da Apec (Cooperação Econômica da Ásia e do Pacífico), que pretende a troca de mercadorias entre os países membros até 2020.
A Austrália é uma monarquia parlamentarista, cujo chefe de Estado é a rainha Elizabeth II, do Reino Unido. O chefe do governo é o primeiro-ministro John Howard. Em novembro de 1999, os australianos votaram pela manutenção desse status político.

Antiga colônia

Os holandeses foram os primeiros europeus a explorar o território australiano. Em 1770, foi a vez do inglês James Cook. Dezoito anos depois, em 1788, a Austrália era transformada em colônia agrícola penal inglesa. De área penal passou a colônia da Coroa britânica em 1823, conquistando o auto governo em 1850, com o Ato de Governo das Colônias Australianas. Em 1901, foi proclamada Comunidade da Austrália e em 1942 tornou-se independente do Reino Unido.
Desde a descoberta de ouro nas áreas de Vitória e Bathurst, em 1851, a Austrália vem recebendo milhares de imigrantes, No início, eram majoritariamente britânicos, depois vieram, principalmente, italianos, irlandeses e gregos, pois não era facilitado o ingresso de não europeus.
Atualmente, os asiáticos compõem parcela significativa (mais de 5%) da população australiana, que está concentrada nas cidades da região Sudeste. Sydney com cerca de 4 milhões de habitantes, Melbourne com 3,5 milhões e Brisbane com 1,6 milhão são as cidades mais populosas da Austrália. A capital Camberra não chega aos 500 mil habitantes.

Nova Zelândia

Assim como na Austrália, são os excelentes indicadores sociais - alta expectativa de vida, insignificante analfabetismo, baixa mortalidade infantil, garantia de uma boa aposentadoria, acesso aos benefícios sociais - que garantem a classificação da Nova Zelândia como nação desenvolvida. Sua indústria é pequena, pouco diversificada, abrange um restrito mercado consumidor de uma população de aproximadamente 4 milhões de habitantes e está direta-mente ligada a matérias-primas agropecuárias, como carne, laticínios e lã.
Mais de 70% de seus 12,5 bilhões de dólares de exportações, em 1998, eram provenientes de laticínios, do leite, da lã, da madeira, de carnes e peles. Seus principais parceiros comerciais são os Estados Unidos, a Austrália, o Japão e os países da União Européia.

Provavelmente, os aborígines australianos (povos nativos) são os únicos a não ter orgulho de um país tão próspero. Os sobreviventes aborígines equivalem a apenas l % da população total.
Apesar da situação econômica privilegiada, a Nova Zelândia apresenta dois problemas sociais. O principal deles é a saída de jovens que buscam melhores empregos e oportunidades em países como os Estados Unidos, o Reino Unido e a Austrália.
Também é preocupante a situação da população nativa, os maoris. Recentemente, o governo amenizou o problema, devolvendo aos antigos habitantes parte do território que ocupavam antes da checada dos europeus.

Ilha do Norte e Ilha do Sul

Localizada no sul da Oceania, a Nova Zelândia é um arquipélago formado por duas grandes ilhas -Ilha do Norte e Ilha do Sul- que estão separadas pelo estreito de Cook.
O navegador holandês Abel Tasman foi o primeiro europeu a explorá-la, em ! 642. Em 1769, o inglês James Cook reivindicou esse espaço para a Inglaterra.
A descoberta de ouro, no século XIX, atraiu milhares de imigrantes britânicos para a Nova Zelândia, que fez parte do Império Britânico de 1840 a 1947. Sua população é formada basicamente por ingleses e seus descendentes (acima de 80%); os maoris representam aproximadamente 10%.
A Ilha do Norte concentra 75% da população, 42% da superfície e as duas maiores cidades do país:
Auckland {l milhão de habitantes) e a capital Wellington (400 mil habitantes).
A pecuária leiteira e de corte, a produção de cereais (cevada, aveia, trigo) com o emprego de alta tecnologia, de frutas (quiuí, maçã) e as indústrias têxtil (lã e couro), madeireira (florestas), gráfica, de papel, química e metalúrgica constituem sua base econômica.
A Ilha do Sul tem a maior superfície (58%) e a menor parcela da população (25%). Com aproximadamente 390 mil habitantes, Christchurch é a principal cidade dessa ilha. Seu relevo acidentado permite a geração de energia hidráulica. A criação de bovinos para a produção e exportação de carne, a criação extensiva de ovinos (a Ilha do Sul é um grande produtor e exportador de lã), o cultivo de cereais (aveia, cevada, trigo) praticado com alta tecnologia, na planície de Canterbury, formam sua base econômica.

5 comentários:

  1. Gostei muito principalmente do começo!Até eu que não sou muito fã de geografia achei bem legal e interessante me ajudou muito na minha pesquisa e vou até indicar para amigos meus!Parabéns pelo ótimo trabalho

    ResponderExcluir
  2. Achei muito interessante, me ajudou bastante, pois não sabia onde se situava. Parabéns! Trabalho suscinto mas muito bem abordado.

    ResponderExcluir
  3. Bom dia professor, estou desenvolvendo uma proposta de projeto para o uso estratégico de reserva de mercado, e gostaria de obter mais informações sobre as dificuldades Australianas e Neozelandeza com relação a expansão industrial, pode me informar alguma literatura ou site que seja dotado de um conteúdo mais completo sobre este assunto. Gostei muito da sua matéria, e vai de encontro ao conhecimento que busco. Excelente forma de descrição e clareza nas pontuação de questões chave. Obrigada.

    ResponderExcluir

Fico muito agradecido pela sua visita.
Me perdoe não poder responder às suas perguntas.
Se gostou e quiser elogiar ou criticar positivamente, ficarei agradecido e até envaidecido.
Se não gostou, não há necessidade de expor sua ira, frustrações ou ignorância escrevendo grosserias. Simplesmente procure outro material na internet.
Forte abraço!
Prof. Miguel