sábado, 17 de abril de 2010

Ásia - Aspectos Físicos

O maior continente do globo terrestre, a Ásia abrange uma área de 44.397.460 km2, compreende, incluindo o Oriente Próximo, a Península Arábica, o Oriente Médio e o Oceano Índico, 43 países e tem como limites:
NORTE - China, Nepal e Butão
NOROESTE - Paquistão
NORDESTE - Mianmar (ex-Birmânia) e Bangladesh
LESTE - Golfo de Bengala
OESTE - Mar da Arábia
SUL - Estreito de Pak

O Continente Asiático apresenta a seguinte divisão regional:
ÁSIA MERIDIONAL E ORIENTAL - Índia, Bangladesh, Butão, Maldivas, Sri Lanka (ex-Ceilão) e Nepal.
NORDESTE ASIÁTICO - República Popular da China, República Democrática da Coréia (Coréia do Norte), República da Coréia (Coréia do Sul), Japão, Mongólia e Taiwan (Formosa).
PENÍNSULA DA INDOCHINA - Camboja, Laos, República Democrática do Vietnã, Tailândia e Mianmar.
SUDESTE INSULAR ASIÁTICO - Brunei, Indonésia, Federação da Malásia, Filipinas, Cingapura e Timor Oriental.

ORIENTE PRÓXIMO

Iraque
Israel
Jordânia
Líbano
Síria

PENÍNSULA ARÁBICA

Arábia Saudita
Bahrein
Emiratos Árabes Unidos
Kuweit
Omã
Qatar
Iêmen

ORIENTE MÉDIO

Afeganistão
Irã
Paquistão

OCEANO ÍNDICO

Comores
Madagáscar
Mauricio
Reunião
Seicheles

O RELEVO ASIÁTICO

OESTE - litoral de contorno regular e com pequenas enseadas;
LESTE - litoral caracterizado por deltas, lagunas e pântanos;
NORTE - Cordilheira do Himalaia e o Planalto do Decã;
NOROESTE A NORDESTE - Planície Indo-Gangética
O PLANALTO DO DECÃ E A PLANÍCIE INDO-GANGÉTICA - formam os altiplanos Ghatts Ocidentais (na costa oeste) e Orientais (na costa leste)
PONTO MAIS ELEVADO - o Monte Kanshenjunga (8.598m)

CLIMA

A maior parte do território asiático está situada entre o Trópico de Câncer e o Círculo Polar Ártico, áreas caracterizadas pelo clima temperado, que se estende pela China, Coréia do Norte e a do Sul, Japão, Nepal, Butão, parte do Paquistão e da Índia, Afeganistão, Irã, Iraque, Síria, Jordânia, Israel, Líbano, Turquia, parte da Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Catar, Kuweit, Bahrein e todo território da Rússia Asiática. Entretanto, outros tipos climáticos, em escala menor, aparecem no continente:
POLAR OU GLACIAL - extremidade setentrional.
FRIO DE MONTANHA - no Himalaia, onde ocorre a presença de neves eternas.
ÁRIDO E SEMI-ÁRIDO - no deserto de Gobi (China); as áreas desérticas que bordejam o Mar Cáspio a leste, e o deserto da Arábia.
EQUATORIAL - no sul e sudoeste asiático, apresentando temperaturas e pluviosidade elevadas.
TROPICAL - caracterizado, em sua maior parte, por chuvas de verão e ventos de “monções”; já no extremo sul, a tropicalidade tende a um clima equatorial, apresentando, por conseguinte temperaturas mais levadas; no nordeste do continente temos uma variante árida da tropicalidade e, no norte, a influência de elevações montanhosas. Em toda sua extensão, a zona tropical compreende: Filipinas, Vietnã, Camboja, Laos, Tailândia, Mianmar, Bangladesh, boa parte do território da Índia, Sri Lanka, Iêmen, Indonésia, Malásia, Cingapura e Brunei.

VEGETAÇÃO

A Ásia apresenta uma grande variedade de paisagens botânicas:
NORTE DA ÁSIA - tundra e floresta boreal.
ZONA TROPICAL - floresta de coníferas, estepes e pradarias.
ZONAS ÁRIDA E SEMI-ÁRIDA - estepes e extensas áreas desérticas.
ZONA EQUATORIAL - “florestas de chuvas” (“rain forest”); florestas tropicais e subtropicais e savanas.
ZONA DE CLIMA MEDITERRÂNEO (SUDESTE) - luxuriante vegetação do tipo mediterrâneo.

HIDROGRAFIA

As principais bacias hidrográficas asiáticas são:
ÁSIA MERIDIONAL E ORIENTAL - Ganges (o mais importante rio da região com 3.700km); Indo (3.180km), banhando simultaneamente a Índia e o Paquistão, drenando o trecho mais seco de toda a área, onde se localiza o mais extenso deserto da porção meridional do continente: o de Thar; Bramaputra (2.900km), afluente do Ganges e o mais importante rio de Bangladesh.
NORTE - Huang Ho (Rio Amarelo); Yang Tsé-Kiang (Rio Azul); Heilong Jiang (Rio Amur) e o Si Jiang (Rio do Oeste).
PENÍNSULA DA INDOCHINA - Mekong.

O RIO AMARELO

É claro que a agricultura, mais que a indústria, foi a base do poderio da região nordeste. Apesar do clima ríspido e caprichoso, a vasta (324 mil quilômetros quadrados) planície em volta de Pequim é uma área agrícola muito produtiva, equivalendo a 20% das terras cultiváveis da China. Por todo lado, trigais e simpáticos vilarejos recortam o horizonte.
A fertilidade da área, plana como uma mesa por centenas de quilômetros, deve-se a uma feliz combinação de ventos, solo e água. Esta chega através do rio Amarelo, que parece percorrer a história chinesa como uma dragão volúvel, ao mesmo tempo terno e malévolo. Mas o rio só alimenta os campos à custa do esforço humano concentrado na irrigação. Entre 1965 e 1975, as obras irrigatórias chinesas foram ampliadas em um terço; com isso, cerca de metade dos terrenos, agrícolas do país, passou a ser irrigada. Na região tritícola, a proporção é maior que a média: 80%.
O rio também ajuda a formação da camada superior do solo, que chega a ter 75 metros de espessura e é a mais fértil da China, originando-se das terras altas a oeste de Pequim. De lá vem um material poroso e amarelo-escuro denominado loess, erodido pelos ventos e soprado para o leste, enchendo os ares de poeira.
Por isso, em Pequim, na primavera, as pessoas costumam usar máscaras cirúrgicas na rua.
Boa parte desse sedimento eólico é carregado pelo rio; daí seu nome: é a maior concentração sedimentar do mundo. Nas últimas voltas de seu percurso de 4.632 quilômetros até o mar, o rio Amarelo despeja essa rica carga na planície do Norte da China. Mas o preço desse beneficio são sistemáticas e calamitosas enchentes. Nos últimos 3 mil anos, o Amarelo extravasou, mais de 1500 vezes, ceifando mais de 10 milhões de vidas. Não admira que seu outro nome seja “a amargura da China”.
Por mais de trinta séculos, o povo do norte da China lutou contra o Amarelo. Desde 400 a.C., o rio já corria “acima do chão”. Hoje, seu fundo está acima do nível do terreno adjacente: em certos pontos, sua superfície situa-se 5 metros acima do solo em volta, mantida no lugar por robustos taludes da altura de um celeiro, que cobrem o horizonte como um espigão de colinas. Essas elevações artificiais chegam a ter 30 metros de largura da base e 15 metros no topo, o suficiente para alojar uma rodovia de duas faixas e, em
alguns trechos uma linha férrea. (...).”
Nações do Mundo – China – Ed. Cidade Cultural – RJ – 1987.

3 comentários:

  1. ÓTIMO ADOREII ME AJUDOU BASTANTEE (;

    ResponderExcluir
  2. é meio contraditorio com o meu prof. passou pra mim estudar pra recuperaçao mais e bom tem bastante conteudo.Meu ajudou um pouco brigado.

    ResponderExcluir

Fico muito agradecido pela sua visita.
Me perdoe não poder responder às suas perguntas.
Se gostou e quiser elogiar ou criticar positivamente, ficarei agradecido e até envaidecido.
Se não gostou, não há necessidade de expor sua ira, frustrações ou ignorância escrevendo grosserias. Simplesmente procure outro material na internet.
Forte abraço!
Prof. Miguel